Um vilão silencioso... A osteoporose!

January 4, 2019

A idade vai chegando e o corpo vai deixando de ser tão eficiente quanto era no ápice da juventude.

A pressão arterial já não é mais a mesma, a glicemia se descontrola, a memória falha e o risco da osteoporose é cada vez maior.

Claro que tudo poderia ser amenizado com algumas medidas que ignoramos quando estamos saudáveis, como melhor alimentação, mais água, dormir bem, ter uma prática física frequente… Bem, tudo aquilo que não parece importante quando a juventude nos permite fazer todo tipo de exageros.

Mas também, amenizar não significa evitar ou eliminar. Infelizmente (ou felizmente) não é possível evitar o envelhecimento das nossas células. O corpo sente o tempo passar e sofreremos mais ou menos de acordo com nossas escolhas ao longo da vida.

Quando pensamos em osteoporose logo pensamos em falta de cálcio no organismo, não é mesmo?? Mas será que é só isso que compromete a saúde de nossos ossos??

Quais são os medicamentos que você pode estar tomando e que no final das contas causam osteoporose ou agravam ainda mais seu caso??

E como podemos recuperar a saúde do nosso esqueleto de maneira natural??

Bom, para começar, vamos entender a criação dos ossos. Para compor nosso esqueleto existem dois tipos básicos de células, os osteoblastos e os osteoclastos.

Em linhas gerais, Osteoblastos são especializados em pegar o cálcio que está na corrente sanguínea e depositar na massa óssea. Eles constróem os ossos.

Já os Osteoclastos tem função oposta. Eles retiram o cálcio dos ossos e jogam de volta na corrente sanguínea. Aí temos a descalcificação.

Parece estranho, mas é assim. Mas a natureza é sábia e existe um bom motivo para que seja desta forma. Para entender este mecanismo, quero que imagine uma fratura óssea. Quem vai reconsolidar este osso quebrado?? Ele mesmo, oras… ninguém faz nada pelo osso e ele se regenera rapidamente.

Quando a fratura acontece, os osteoblastos ficam super ativos e vão imediatamente preenchendo o espaço da fratura com mais massa óssea. Mas fica tudo mal feito… Os osteoblastos são péssimos com acabamento.

Logo depois chegam os osteoclastos, que vão arrumando, dando acabamento, reduzindo o calo ósseo e aperfeiçoando o remendo.

Eles trabalham em equilíbrio e assim é até que algo cause um descontrole no processo. Aí o problema acontece.


Baixo consumo de cálcio é um problema que pode levar à osteoporose. Com pouca matéria-prima os osteoblastos não conseguem produzir massa óssea. Pode parecer que cálcio só serve para isso, fazer ossos, mas na verdade ele participa de muitos outros processos fisiológicos, como por exemplo a contração muscular.

Mas também não adianta se entupir de cálcio. Quando os níveis de cálcio elevam excessivamente, você poderá desenvolver uma Hipercalcemia, que pode provocar sintomas como constipação, aumento da quantidade de urina, pedras nos rins, sonolência, fadiga, dor de cabeça, arritmias, problemas cardíacos e até coma.

Isso acontece quando as pessoas que ingerem grandes quantidades de cálcio, como as que sofrem de úlcera e tomam leite e antiácidos que contêm cálcio, ou as que fazem suplementação de cálcio.

Outro motivo é uma sobredose de vitamina D que também pode afetar a concentração de cálcio no sangue ao aumentar de forma exagerada a sua absorção a partir do trato gastrointestinal. Muitas vezes esse excesso de Vitamina D pode estar associada com o hiperparatireoidismo, que é o excesso de atividade da glândula paratireóide.

Outro problema que pode levar a desenvolver a osteoporose, é a deficiência de certas vitaminas, como D e K.

Vitamina D: auxilia na absorção de cálcio pelo intestino e na reabsorção pelos rins. É importante para o processo de formação e reabsorção óssea. Ela pode ser suplementada por meio da exposição ao sol (a produção de Vitamina D começa na pele) ou pela ingestão de alimentos como salmão e sardinha, que são fontes dela. Nos casos mais graves, pode ser necessária a suplementação da Vitamina D, sempre com orientação médica. .


Vitamina K: reduz a reabsorção óssea e acelera a formação dos ossos. Quando agregada à vitamina D e ao Cálcio, atua no metabolismo ósseo. Embora possa ser encontrada em alimentos como certos produtos lácteos, fígado e gemas de ovos, nos casos em que o quadro avança com a perda de massa óssea, a suplementação em cápsula é recomendável, de acordo com a orientação médica.

Outro nutricional fator é a falta de Magnésio. Este mineral atua na metabolização do Cálcio, favorecendo a rigidez do osso. Sua deficiência causa osteopenia e fragilidade óssea.

É encontrado em oleaginosas, espinafre, cereais integrais, leite e derivados e chocolate amargo. Mas da mesma forma que as vitaminas D e K, se for necessário é importante fazer sua suplementação.

Além desta baixa disponibilidade de cálcio, magnésio e vitaminas K e D, outros fatores podem interferir diretamente na saúde dos ossos.

Um deles é a Este fenômeno acontece principalmente durante a terceira idade, ou, nas mulheres, a partir da menopausa.

Neste momento da vida, homens e mulheres reduzem sua produção hormonal natural. Esses hormônios funcionam como os principais carregadores de cálcio para dentro dos ossos. Em alguns casos de osteoporose, para melhorar a saúde óssea não é o cálcio, mas a atuação do estrogênio ou da testosterona.

Por fim, uma das causas que nos causa alarme é o uso de determinados medicamentos químicos ao longo da vida. Isso mesmo, alguns dos medicamentos que as pessoas confiam e consomem para tratar a saúde podem causar problemas graves, como a osteoporose.

Pior ainda quando a pessoa já desenvolve o problema e mesmo assim o médico receita esses medicamentos, aumentando ainda mais as chances de fraturas e de hospitalização.

Para te ajudar a reconhecer estes riscos, fizemos uma pesquisa buscando alguns exemplos que podem te ajudar evitar este problema. Conheça alguns dos medicamentos que podem reduzir a densidade dos seus ossos e te levar a um estado de osteoporose, ou piorar a osteoporose que você já tem.

Medicamentos Corticoides como a Prednisona - é indicado para o tratamento de várias doenças endócrinas, osteomusculares, reumáticas, do colágeno, dermatológicas, alérgicas, oftálmicas, respiratórias, hematológicas, neoplásicas e outras que respondam ao tratamento com corticosteróides. Entre seus efeitos colaterais estão relatados: osteoporose, fraturas por compressão vertebral, necrose asséptica da cabeça do fêmur e do úmero, fratura patológica de ossos longos, ruptura de tendão.
Bula da Prednisona: https://bit.ly/2F6zjWu

Medicamentos Anticonvulsivantes, como a Carbamazepina - é indicado para vários problemas, inclusive para epilepsia. Entre seus efeitos colaterais pode causar distúrbios do metabolismo ósseo (diminuição do cálcio plasmático e sanguíneo de Vitamina D), levando a osteomalacia / osteoporose, artralgia, mialgia, espasmos musculares.
Bula da Carbamazepina: https://bit.ly/2scUKO9

Medicamentos Antidepressivos, como a Amitriptilina - recomendado para estados depressivos, consta em sua bula efeitos colaterais como fratura óssea, fratura óssea não vertebral e Fratura de quadril.
Bula da Amitriptilina: https://bit.ly/2scfN3c

Medicamentos Imunossupressores, como o Certican e Rapamune - Certican pertence ao grupo de medicamentos conhecidos como imunossupressores, ou seja, que reduzem a atividade do sistema de defesa do seu organismo e são essenciais para ajudar na prevenção da rejeição dos órgãos transplantados e doenças auto-imunes. Em seus efeitos colaterais há a redução de POtássio no sangue, O Potássio e um mineral que reduz a reabsorção óssea, prevenindo a osteoporose. Além disso ele reduz a excreção de cálcio pela urina. A falta de potássio compromete ainda mais a saúde de quem desenvolve osteoporose.

Já o Rapamune, outro imunossupressor, traz em sua bula a possibilidade de causar osteonecrose. Ou seja, além de reduzir os níveis de potássio, caso a pessoa tenha osteoporose e venha a fraturar um osso, esta fratura pode progredir para uma necrose óssea, ou seja, a morte do tecido ósseo.
Bula do Certican: https://bit.ly/2SAxPHZ
Bula do Rapamune: https://bit.ly/2AweZee


Esses são alguns exemplos e é por isso que precisamos sempre estar atentos ao que usamos para tratar nosso corpo.

Se você me perguntar, se as plantas podem ajudar nos casos de osteoporose, eu vou te dizer...

 

COM CERTEZA!

Plantas que aumentam a densidade óssea, plantas que inibem a reabsorção óssea, que aumentam as concentrações de potássio, de magnésio e de vitamina K. Plantas que melhoram a deficiência hormonal de homens e mulheres.

Dá sim. Existe, sim, uma grande possibilidade de se tratar com as plantas.
Mas este é um assunto para uma outra matéria!

Um grande abraço.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags